17 de junho de 2010

Pesada Herança Colonial



Como se sabe, muitos homossexuais, bissexuais e transexuais continuam a sofrer terríveis humilhações e violações dos seus direitos apenas por se distinguirem da maioria heterossexista. O que talvez muitos não saibam é que, apesar de em Portugal a homofobia continuar activa, é o país de Língua Portuguesa que mais respeita os direitos da comunidade LGBT. O Brasil é um país que continua a dar grandes passos no avanço e no reconhecimento da igualdade entre LGBT's e a maioria heterossexual, não obstante, ainda se registam muitos assassinatos de homossexuais e transexuais, sobretudo. Nos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), a situação ainda é mais grave: a maior parte da legislação remete-nos para o período colonial, ou seja, a legislação existente nesses país é antiga, discriminatória e desactualizada. Os sucessivos governos dos PALOP têm outras prioridades, como o desenvolvimento dos seus países. Porém, ainda não têm a noção de que a extinção da discriminação à comunidade LGBT é essencial quando falamos de países verdadeiramente desenvolvidos. O desenvolvimento também passa por aí. Ainda há muito trabalho a fazer. Novamente em relação ao Brasil, o Presidente Lula é um "amigo" da comunidade LGBT, esperando-se, por isso, que os avanços continuem de forma progressiva e sustentada. Em África, o cenário mantém-se, com poucas organizações de defesa dos direitos dos homossexuais a exigirem mudanças na legislação. Em muitos destes países, a homossexualidade ainda é encarada não como orientação sexual, mas sim como doença, acarretando todos os preconceitos inerentes a este ponto de vista errado. O Jornal de Notícias publicou um artigo interessante que mostra a realidade LGBT nos países lusófonos, e que inspirou este meu post. Saibam mais aqui.

4 comentários:

  1. É um mal geral... o racismo, o preconceito a homofobia, etc., tem um efeito de bola de neve que vai alastrando e alastrando... até alguém fazer frente.

    ResponderEliminar
  2. Estamos cá nós, para fazer frente. Unidos, venceremos. :)

    ResponderEliminar
  3. A verdade é que, pelo menos no nosso país, por mais organizações que nos defendam, seremos sempre olhados de lado ou até vítimas desse tipo de violências porque Portugal será sempre um país católico e descriminador.

    Para o Brasil é que eu devia de emigrar eheheh

    ResponderEliminar
  4. Portugal, apesar de católico e homofóbico, sempre este um passo à frente no que respeita à comunidade LGBT, não só em relação aos PALOP, mas até em relação a muitos países mais desenvolvidos; e não me estou a referir à lei agora aprovada...
    Lisboa sempre foi um paraíso para a comunidade LGBT internacional, mesmo sem ter grandes bares e discotecas gay...

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)