18 de maio de 2010

Whitney Houston - O Regresso



Como se sabe, Whitney Houston voltou às luzes da ribalta com a sua recente Nothing but Love World Tour. O seu regresso foi aguardado por milhões de fãs em todo o mundo, uma vez que esta tour levou-a a vários palcos da Europa, Ásia e até mesmo na Oceânia.
No entanto, as expectativas eram bastante elevadas, elevadas demais comparativamente aos problemas pessoais que têm assombrado a cantora ao longo dos últimos anos, nomeadamente as suas alegadas dependências químicas. O regresso não agradou a todos; muitos notaram um evidente declínio vocal naquela que foi apelidada, em tempos, de The Voice. As suas performances são fraquíssimas, com fugas de tom, desafinações, falta de fôlego e má projecção da voz. Os fãs ficaram descontentes e alguns arrependeram-se da compra dos bilhetes. É a queda de uma artista que outrora encheu palcos de todo o mundo com a sua voz surpreendente e poderosa.
Eu nunca fui um grande fã de Whitney Houston. Gosto de algumas músicas do seu repertório, como I Wanna Dance With Somebody (Who Loves Me) ou Run To You. Creio que não é o suficiente para me considerar um verdadeiro fã. Mas admiro, isso sim, as vozes poderosas do showbiz mundial, onde se incluem a Mariah (a minha grande paixão), a Whitney, a Céline e a Christina Aguilera, entre outras.
Muito se falou sobre a voz de Mariah Carey. Depois de anos de sucesso, alguns afirmaram que a sua voz perdeu o brilho e a cor. Se compararmos as vozes da Mariah e da Whitney, facilmente chegamos à conclusão de qual das duas mantém uma voz minimamente aceitável. A Mariah, apesar de reconhecer que já não é a mesma de Mariah Carey (debut album), Emotions, Music Box, Merry Christmas e Daydream, consegue actuar com a mínima qualidade, com mais um pequeno detalhe a acrescentar: a Mariah, infelizmente, teve problemas na voz, devido a uns quistos vocais que sempre a acompanharam; a Whitney, não, teve uma intervenção directa no seu declínio vocal, digamos, foi responsabilidade inteiramente sua. Como exemplo, posso referir a Céline Dion. Tem uma carreira de mais de duas décadas e mantém uma excelente voz. Não teve problemas vocais (é uma questão de sorte) e teve cuidados com a saúde da sua voz. E eu nem aprecio o seu estilo.
Estes artistas mundiais têm imensa fama e prestígio. Alguns sabem lidar com esse facto, mantendo a privacidade possível e uma vida minimamente equilibrada; outros, perdem-se nos caminhos sombrios do brilho e do dinheiro fácil. Quem faz da voz e da imagem a sua fonte de rendimentos deve, por isso mesmo, ter cuidados acrescidos.
A fama e o prestígio são efémeros. Tudo acaba com a passagem impiedosa dos anos. Outros vêm e ocupam os lugares das estrelas que encantaram palcos de todo o mundo. O público, esse, por vezes é ingrato. Constrói uma enorme estrela que destrói num ápice mais rápido do que o tempo.

5 comentários:

  1. A vida de artista é bem dura!

    ResponderEliminar
  2. Terei tendência em dizer bem feita para a queria Whitney!
    Pecou, pecou e pecou. O Senhor com a sua mestria divina castigou-a.
    É assim, devemos conformar-nos com isso...

    Visite, comente e não deixe Jesus descontente!

    ResponderEliminar
  3. Eu acho uma pena,pessoas que se acham sulperior a qualquer ato de fraquesa humana,com a querida e sempre admirada whitney houston.vc eu, qualquer pessoa pode ser faca e fazer coisas piores do que se matar com as drogas.Quem e vc pra dizer que foi castigo de Deus! vc ñ saber quem e Deus.Deus e Amor.Deus não castiga ninguém.cada ato nosso tem cosequências.e uma pena que o ser humano só valorisa a pessoa o ator,a cantora,quando morre.Para o verdadeiro fã ela sempre será a Diva,sempre Diva maravilhosa...

    ResponderEliminar
  4. Oh, Anónimo, mas em que parte do meu texto eu disse que era castigo de Deus? Eu não escrevi isso em lado algum. Eu até gosto da Whitney. Mas a verdade é que a sua voz já não é igual e eu, como gostava da sua poderosa voz, apercebi-me desse facto, assim como toda a gente. :)

    Fique bem.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)