1 de maio de 2010

Onde te escondes?

Onde te escondes? Talvez nesse labirinto de segredos que criaste para ti. Essa teia que te consome a cada segundo que passa, deixando o vazio e a dor onde anteriormente existia um trilho suave de amor. Corres com as mãos sobre a face rosada e envergonhada de um medo que não é o teu. Observas o céu que se põe em fúria contra de ti, esperando o momento certo para te enviar o fogo que tanto temes. Não é fácil penetrar nessa muralha de paredes altas e escorregadias que construíste. O acesso é restrito. Do alto da torre, vigias quem se aproxima para te mostrar o que teimas em não querer ver. Guarda essa arma, essa arma de defesa que usas sem motivo. Um dia irá disparar sobre ti.
Onde te escondes? Talvez num mundo mágico e colorido onde podes ser feliz. O teu olhar não mente. O verde assemelha-se à cor natural de uma floresta. Estás no meio dessas árvores altas, esperando o momento oportuno para sair. Nelas, consegues a sensação efémera de protecção. Corres em direcção a um mundo que não é o teu, mas ao qual tanto ambicionas pertencer. Escondes o olhar da moral de quem te indica um caminho a seguir. E segues o rasto mais fácil, bem mais fácil do que a confrontação que evitas a todo o custo.
Onde te escondes? Talvez na tua cidade, aquela em que está sempre a chover. Moldas o que te fere num esboço de alegria e diversão, como se os sentimentos não fossem mais do que um barro mole, moldável ao sabor da tua vontade. Escondes-te no interior de ti próprio, bem no fundo do teu ser. Guardas lá no fundo a verdade, a mesma verdade que ocultas e afirmas tratar-se de uma mentira.
O teu mundo é um mundo de esconde-esconde. De esconderijos inalcançáveis para quem te rodeia. Cada pedaço está bem escondido num lugar diferente, sendo que o principal é guardado por esses soldados moralistas que tu próprio colocaste à porta do teu castelo sombrio.
Vives o que não te pertence. Escondes a face de uma vergonha que te vence a cada dia que passa.
Perdeste-te de ti e, um dia, ninguém mais te encontrará. Procuro-te e não te vejo.
Onde te escondes tu?

6 comentários:

  1. Está muito... bonito.
    O esconderijo de alguém, é o seu intimo, o mistério, que nimguém saberá...

    ResponderEliminar
  2. "Perdeste-te de ti e, um dia, ninguém mais te encontrará. Procuro-te e não te vejo."

    Está linda esta parte. :D
    Obrigado. ^^

    ResponderEliminar
  3. É verdade! E já vais poder ir à Prada em família!

    ResponderEliminar
  4. Ainda bem que decidi ler os meus blogs do início. Muito bonito, sim, senhor.

    ResponderEliminar

Um pouco da vossa magia... :)